"Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa"

Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa é o nome do mais novo álbum de Emicida.

Trata-se de um discurso musical sobre politicas geográficas e sociais que se retalham em musicas de protesto e poesia e enaltecem ainda mais a carreira do cantor.

Em sua viagem para a Africa, investigando suas raízes, Emicida trouxe para o seu trabalho, muito mais que simbolismos étnicos, revelou também a consciência musical que emerge daquele continente. Isso fica nítido na sonoridade obtida, para além de batidas folclóricas.

Ainda na Africa, Emicida Gravou em estúdios em Praia (Cabo Verde) e Luanda (Angola). Entre as Musicas que estão no aguardado álbum, tem a homenagem às quebradas da África, "Mufete", e a parceria do rapper com a Vanessa da Mata, "Passarinhos".

"Boa esperança" single no qual Emicida faz uma critica contra o racismo. No clipe, Empregados domésticos negros são submetidos a humilhações por seus patrões, e se rebelam passando de oprimidos a opressores. No clipe os empregados sofrem de todo o tipo de humilhação e desrespeito, uma das empregadas é humilhada por seu patrão e logo após é novamente vítima da dona da casa, desencadeando a rebelião nesse momento. O vídeo reproduz uma espécie de “nova Casa Grande e Senzala”, livro do sociólogo Gilberto Freyre.

Dirigido pelo Fotografo Wainer (do documentário Junho) e de Kátia Lund (de Cidade de Deus). O roteiro surgiu coletivamente entre Emicida, os diretores e empregadas domésticas que moram na Ocupação Mauá/SP. 

Emicida aparece apenas uma vez no clipe, como porteiro, atende uma ligação da dona da casa onde se passa a história, e em seguida recomeça a cantar a musica.

“Acho que tem uma parada muito louca que a gente precisa discutir: uma é a escravidão e outra é o modus operandis da escravidão, que está presente até o dia de hoje na realidade brasileira. Uma pessoa te remunerar por um serviço não significa que aquela pessoa, em instância alguma, é dona de você, que ela tem poder para fazer qualquer exigência que não seja aquele serviço que ela está te pagando. E isso ainda deve ser feito de maneira respeitosa porque é uma relação entre dois seres humanos. Dentro desse caldo, a gente coloca o tempero racial porque a gente está num país que é racialmente dividido, tem uma segregação gritante e a maioria dos afrodescendentes está nesse tipo de condição. Esse é o questionamento mais urgente e mais foda que a gente propõe para o Brasil com esse clipe” diz Emicida em um mini documentário sobre o clipe.

O clipe Boa esperança já esta em torno 850 mil visualizações no youtube.

Emicida - Boa Esperança (Videoclipe Oficial)

Minidoc - Clipe "Boa Esperança" (Emicida)
Por: Acacio Faria
Compartilhe no Google+

Sobre Acacio B. Faria

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: